Análise do Django

Como já falei aqui anteriormente o Django é um Framework para desenvolvimento de aplicações web escrito em Python que tem por objetivo simplificar a vida do desenvolvedor e possibilitar a criação de aplicações de forma limpa e organizada. Também havia prometido que descreveria a minha experiência com o framework e é por isso que resolvi escrever o texto abaixo.

O primeiro passo na utilização do Django foi fazer a sua instalação, o que não foi difícil, já que bastou seguir as instruções contidas no Tarball. Depois disso, como todo bom iniciante, parti para o processo de leitura do tutorial, disponível na área de documentação do site oficial, e repetição dos passos descritos em meu próprio equipamento.

A utilização é bastante simples, básicamente composta pelos seguintes passos:

  1. Inicialização do projeto, que é feita com o comando django-admin.py startproject projeto;
  2. Configuração da aplicação, que consiste em informar o endereço, login e senha, além do tipo (mysql, postgres, etc) da base de dados a ser utilizada pela aplicação, através da edição do arquivo settings.py;
  3. Criação da aplicação (um projeto pode ser composto por multiplas aplicações), o que é feito com o comando django-admin.py startapp aplicação;
  4. Definição das classes, editando o arquivo apps/aplicação/models/aplicação.py; e
  5. Instalação da aplicação, que é na verdade a geração das tabelas necessárias ao funcionamento da aplicação na base de dados indicada na configuração, o que é feito pelo comando django-admin.py install aplicação.

Omiti alguns detalhes do processo, como a configuração do settings.py para que a aplicação seja adicionada ao projeto e outros pequenos detalhes de implementação, já que não é essa a finalidade desse texto, mas basicamente é assim que a coisa funciona.

Com as devidas definições no modelo, parâmetros especiais, etc. é possível ter uma interface de gerenciamento de dados completa, com direito a mecanismo de busca, níveis de acesso, autenticação, filtragem, além das operações CRUD (Create, Recover, Update, Delete).

Depois da primeira experiência comecei a montar uma pequena aplicação de minha própria autoria (sempre recorrendo à documentação no site oficial) e posso dizer que:

É possível criar aplicações em minutos com o Django, entretanto ainda não comecei a mexer com as views (templates), mas posso garantir que pelo menos o “M” (model) e parte do “C” (controller) da triade MVC, sobre a qual está alicerçado o framework, são postas na tela com pouquissimo trabalho.

Pois bem. Nos próximos dias voltarei a dar notícias do Django por aqui. Python on Rails? Não sei… Mas pode ser até melhor.